Como Fazer Iogurte Caseiro

Há um tempo atrás, eu e o Pedro estávamos querendo fazer iogurte em casa. Toda vez que comprávamos aquele de litro ele era muito caro (média de 7 ou 8 reais) e acabava super rápido. Aqueles iogurtes de copinho também não rendiam muito, era para uma refeição e só (e custa, em média, R$ 1,50). Então, procuramos na internet como fazer iogurte caseiro e gente, é MUITO fácil. Mais fácil que nível miojo (3 minutos e tcharãn!). Tem muitas pessoas que fazem iogurtes em casa com aquela iogurteira, sabem? Que você coloca o iogurte, o leite e deixa a iogurteira ligada na tomada por umas 12h para o leite coalhar.

Essa receita, além de não precisar usar tanto tempo a energia elétrica da sua casa, é muito mais barata, já que você não vai precisar gastar dinheiro (ou muito dinheiro) com esse tipo de equipamento. A receita é super fácil e mega rápida de fazer, e fica uma delícia. A última vez que fiz (sim, EU que fiz, ou seja: pensa na facilidade do negócio!), fiz com iogurte e leite desnatado. Tenho que confessar que não gostei muito, ficou BEM amargo. Sempre que comprava os iogurtes de litro, comprava sem gosto e desnatado, mas acho que quando é industrializado deve ter um gostinho a mais, né? Então, se você quer aprender a fazer iogurte caseiro, se liga:

Iogurte Caseiro

iogurte-caseiro

Você vai precisar de:
– 1 litro de leite integral;
– 1 copinho de 200ml de iogurte natural (se você quiser com sabor, pode ser também);
– 1 jarra com tampa para colocar a mistura.

O modo de preparo é MUITO simples: Basta você despejar todo o iogurte do copinho na jarra e colocar todo o leite junto (é importante que o leite esteja, no mínimo, em temperatura ambiente e não gelado. A gente esquenta um pouquinho, para ajudar na mistura). Depois disso, misture bem, por mais ou menos uns 30 segundos, o leite e o iogurte e tampe bem a jarra. Aí, vai uma gambiarra bacaninha: para manter a jarra aquecida, a gente envolvia a jarra com jornal, papel filme, pano de prato e, por fim, uma sacolinha. Hahaha.. Isso é apenas para manter a jarra aquecida, se você tiver uma maneira menos zuada de fazer isso, fique à vontade! 🙂 Deixe a mistura descansando por 12h, em média, e voìla! Está pronto! E gente, vamos combinar, é muito mais barato do que você comprar um iogurte pronto, já que você terá 1,2 litros e gastou menos do que 5 reais para fazer isso. E ah, é mais saudável, já que não tem tanto conservante! Bom, né?

Fica ótimo para misturar no cereal com frutas, com aveia e banana, com granola e tudo o mais que você gostar. Outra dica bacana é bater este iogurte pronto no liquidificador com frutas como morango, maçã ou banana e fazer uma puta vitamina gostosa e nem precisa colocar açúcar ou adoçante (só se você for um sugar addicted). Esse iogurte caseiro é uma delicinha e mega fácil de fazer, vale super a pena! Faça em casa e depois me diga o que achou, ein?

Beijos beijos e bom final de semana!

Anúncios

Meu Intercâmbio em Vancouver / Canadá (Parte 1) – Primeiros Passos

Oi pessoal!! Hoje inicia uma série de posts sobre a minha experiência de intercâmbio no Canadá, mais precisamente em Vancouver. Fui para lá há 4 anos atrás (chorando lágrimas de sangue, já faz muito tempooo!) e uma coisa que me ajudou MUITO na preparação da viagem foi o Orkut! ♥ A comunidade Vancouver para Brasileiros, que hoje tornou-se um grupo no Facebook (bem ativo, por sinal), salvou minha vida, e acho que algumas informações sobre intercâmbio são super úteis e merecem ser compartilhadas. Lembro que essas informações são apenas as minhas experiências, e como ocorreu comigo, então algumas coisas podem sair diferentes com você! Nessa série de post compartilharei os primeiros passos, escolha da escola, visto para entrada no país (que estarão neste post), o que fazer em Vancouver, curiosidades da cidade, dicas de convivência, pontos turísticos e afins. Vancouver é uma cidade maravilhosa, quem já foi, sabe. Tenho, até hoje, muuuita vontade de voltar para lá (até para morar forever). Tá pensando em fazer intercâmbio em Vancouver? Então vem comigo! VANCOUVER COMO ESCOLHI FAZER INTERCÂMBIO? Foi no susto. Na pressa. No início de novembro de 2010, eu tinha acabado de me demitir do meu estágio, estava querendo outros ares, sabe? Já praticamente estava de férias da faculdade (estava no terceiro ano, já), tinha uma graninha guardada e pensei: “por que não fazer um intercâmbio” e na mesma hora, verbalizei “mãe, posso fazer um intercâmbio no fim do ano?”. E é lógico que a minha mãe adorou a ideia e já no mesmo dia começamos a sair pesquisando sobre destinos e para onde ir. Na empresa da minha mãe há um serviço de intercâmbio, então já ligamos para lá na ACM São Paulo, a YMCA, sabe? (acesse as informações deles de intercâmbio aqui). 165326_1263136276713_1271628_n POR QUE ESCOLHI VANCOUVER – CANADÁ? Bom, como já estávamos em meados de novembro, e para não atrapalhar minha faculdade, eu teria que voltar até o fim de janeiro, eu tinha POUQUÍSSIMO tempo para planejar a viagem. Eu tinha algumas opções: Vancouver, Montreal, Londres ou Sidney. Descartei Montreal, porque não tinha interesse naquele momento, de fazer Francês e descartei Londres por ser muito caro ($$ pesa, né?) e Sidney por ser muito longe, e porque eu queria FRIO, MUITO FRIO. Canadá sempre foi muito bem avaliado por intercambistas, então acabei optando por Vancouver. Confesso que não conhecia muito da cidade, então fui logo procurando no Google umas fotos do local, e me encantei. EITA CIDADE LINDA, GENTE! E foi assim, já saí correndo para dar entrada nas papeladas da escola, no visto e tudo mais. O QUE FAZER DEPOIS QUE DECIDI MEU DESTINO? 1. Escolha a escola: Para você tirar o visto e tudo mais, você precisa de uma carta de aceitação de uma escola. Então, é a primeira coisa a se fazer. Eu estudei na Canadian College of English Language e SUPER recomendo. Tive que preencher alguns documentos, como: Application Form (é um formulário que você coloca seus dados, que tipo de curso você quer fazer, quantas horas por semana, sua opção para acomodação, etc – EM INGLÊS), uma ficha de inscrição da ACM – EM PORTUGUÊS. Esses documentos são enviados à escola e, caso sejam aprovados, eles enviam uma carta de aceitação para você e o valor do curso. Lá é diferente do Brasil, você não financia ou parcela as mensalidades, nos casos de cursos de inglês, o pagamento é no cash (à vista) e deve ser feito antes do início das aulas. 2. Inicie os procedimentos para a retirada do Visto de Estudante: Confirmada sua inscrição na escola, é bom começar a correr com o visto. Diferente do visto americano, no canadense não há entrevista (isso se você for apenas estudar, e não trabalhar), então você entrega os documentos requisitados no consulado canadense e espera. Espera. E que espera. Que agonia! O meu visto demorou uns 15 dias úteis para sair, eu acho. E lembrando, você já precisa ter um passaporte válido, né? Para saber os documentos que você precisa providenciar para a retirada do visto, visite o site do Canadá International. 3. Providencie a compra de passagens aérea, dólar canadense, seguro internacional: Fui para Vancouver pela Air Canadá (voo direto para Toronto e de lá conexão para Vancouver) e levei uma quantia em dólares canadenses em espécie e a maior parte em cartão, o visa travel money. Além disso, é ESSENCIAL que você providencie seguro saúde, porque se algo der errado e você não tiver, pagará muito caro por isso. Ainda tem muuuuuita coisa para compartilhar, mas se falar tudo agora, virará um livro! No próximo post da série compartilharei quanto dinheiro levar, o que colocar na mala, como é chegar na imigração no Canadá e muito mais. Quer saber mais de Vancouver? Fique ligado! 164381_1273875505187_6129202_n 166655_1273877625240_1315800_n Um beijo e até mais! ♥ ATUALIZADO

Acesse a Parte 2: Meu Intercâmbio em Vancouver / Canadá (Parte 2): Arrumando as Malas e Viajando

Acesse a parte 3: Meu Intercâmbio em Vancouver / Canadá (Parte 3): Curso de Inglês e Hospedagem A

cesse a parte 4: Meu Intercâmbio em Vancouver – Canadá (Parte 4) – Stanley Park, Lynn Valley Park, Gastown e Lookout Tower

Acesse a parte 5: Meu Intercâmbio em Vancouver / Canadá (Parte 5) – Grouse Mountain, Vancouver Acquarium, Jogo de Hockey e UBC

Acesse a parte 6: Meu Intercâmbio em Vancouver / Canadá (Parte 6) – 23 Curiosidades sobre a cidade

Acesse a Parte 7: Meu Intercâmbio em Vancouver / Canadá (Parte 7 – Onde fazer compras de eletrônicos, roupas e souvenirs

Acesse a parte 8: Meu Intercâmbio em Vancouver / Canadá (Parte 8) – Viajando para Victória

Fazendo Estante com Baldes

Oi Gente! Hoje vim compartilhar uma ideia de DIY super facinho de fazer e que dá uma outra cara para o ambiente. Já tinha visto essa ideia em vários sites antes de me mudar para o apartamento com o Pedro, e sempre achei uma fofurinha: estante com baldes (usados, antigos, ou não). Fica super bacana e pode ser usado, novamente, em qualquer cômodo da casa, e além de deixar a decoração mais alegre, é uma ótima maneira de você organizar suas coisas sem precisar ficar colocando mais armários em casa (e que tomam um espação, não é mesmo?).

Para utilizar os baldes na decoração, o mais bacana é que você utilize os baldes que são de metal – os de plástico, além de serem menos resistentes, não têm um aspecto tão legal quanto os de metal. Você pode usar tanto um balde já utilizado, e que está encostado em casa (e até meio enferrujadinho, que dá um toque rústico super bacana) ou comprar baldes novos. Além disso, você pode abusar da sua criatividade pintando esses baldes com tinta spray (mucho mais fácil para aderir ao material) de tudo quanto é cor: o bacana é que tenha a ver com você e que sejam bem chamativos. Você pode, também, não pintá-los, mas fazer “etiquetas” nos baldes com tinta lousa (que já ensinei a fazer neste post) para identificar os materiais que você vai colocar dentro (podem ser materiais escolares, materiais do seu dia a dia de trabalho, de costura, pode ser também uma hortinha vertical e usar a tinta lousa para identificar as ervas, e assim por diante). É só usar a imaginação. ♥

Na colocação, também não tem uma regra clara: você pode parafusar os baldes de forma horizontal na parede (e deixar a boca do balde para frente), pode deixá-los no chão, em cima de uma estante e muitas outras formas. Depende muito do espaço que você tem em casa, e do ambiente que você quer colocar. Por exemplo, se você for colocar lápis, caneta e materiais de escritórios/escolares, é mais interessante que você deixe o balde em pé, né? Quer ver algumas inspirações? Vai dizer que esse DIY com baldes não é MUITO fácil e baratinho de fazer? Se joga!

balde8

montagembalde2

balde4

balde1

balde3

montagembalde

E então, vocês fariam em casa? Me conta aí nos comentário.

Beijo 🙂

5 Adaptações Incríveis de Shakespeare para o Cinema

Todo mundo que me conhece, sabe que eu amo Shakespeare. Desde a época do colégio, nas aulas de teatro e de literatura, me encanto pelos sonetos e contos shakesperianos. A obra de Shakespeare é tão vasta e rica que, mesmo as tendo escritas em meados dos anos 1500, faz com que o GÊNIO seja considerado o maior dramaturgo do mundo. Sempre amei ler os sonetos de amor e as tragédias do autor, principalmente quando o livro que estou lendo é escrito e dividido em atos, como se fosse uma peça de teatro, mesmo. ♥ Meus textos preferidos são, óbvio, Romeu e Julieta e Otelo, o Mouro de Veneza, que fazem parte da coletânea trágica de Shakespeare. Gente, que textos lindos, profundos e completos. Mas nem só de choro viveu Shakespeare, que também escreveu suas comédias, como Sonhos de Uma Noite de Verão, Muito Barulho por Nada, Como Gostais, e por aí vai. Shakespeare me lembra, especificamente, dos meus 14 anos (dez anos atrás, DEZ ANOS ATRÁS, eu disse. tô velha) e das aulas de teatro e de inglês da escola. Lembro das peças de Romeu e Julieta, das adaptações, e dos inúmeros livros em inglês que líamos do autor (saudades, Fran – o melhor professor de inglês EVER). Que época boa. E foi nessa época que aprendi a amar e a respeitar muito a vida e a obra de William Shakespeare. Muitos filmes foram lançados em homenagem às suas obras, uns bons, outros nem tanto. Mas têm 5 filmes, em especial, que me marcaram muito e que são maravilhosos. Provavelmente você já deve ter visto, pelo menos, algum deles. Mas não custa compartilhar, né? Vamos ver?

Romeu e Julieta (1968)

black-and-white-romeo-and-juliet-1968-7058643-2133-1628

Vi este filme, pela primeira vez, em 1998 (no auge dos meus 8 anos), na aula de teatro no projeto social em que minha mãe é coordenadora. Assistimos esse filme, pois íamos fazer uma peça adaptada de Romeu e Julieta, chamada: “Sport Club Romeu x Sport Club Julieta. E adivinha quem foi a dita cuja? Isso mesmo, EUZINHA! 🙂 Já da pra perceber que desde cedo Shakespeare me acompanha, né? Rsrs. Mas deixando isso para lá, este filme foi dirigido por Franco Zeffirelli, e foi filmado todo na Itália. É um filme muito fiel à obra de Shakespeare, sem adaptações ou releituras. O inglês é o arcaico, da mesma forma com que escreveu o autor. Preciso contar a história? Bom, trata-se do amor proibido de Romeu e Julieta, que pertenciam à famílias rivais (Caputelos e Montechios). Foi indicado ao Oscar de melhor filme, ganhou Globo de Ouro, Bafta e outros prêmios. Vale muito a pena para quem quer conhecer a obra e, de quebra, ver excelentes atuações e um cinema sem tantos efeitos especiais.

Romeu + Julieta (1996)

Romeo_And_Julia_still_04

Esse filme assisti com a minha prima Lívia. A gente amava Leonardo Dicaprio, estávamos na vibe Titanic e, acho, por isso assistimos este filme. Ele é uma adaptação da tragédia de Shakespeare para os tempos contemporâneos, então vemos armas de fogo ao invés de espadas, roupas mais atuais e outras coisas. Mas o bacana é que mesmo que esteticamente o filme se passe na contemporaneidade, a linguagem continua sendo do inglês arcaico, para não perder as origens de Romeu e Julieta. É incrível, um filme que te faz chorar largado e, mesmo já sabendo o final, você fica torcendo o tempo todo para mudar. Mas não, não muda. 😦 O filme foi dirigido por Baz Luhrmann e você consegue notar muito da sua assinatura no filme (o mesmo cara que dirigiu Moulin Rouge, um dos filmes da minha vida). Vale a pena ver o filme, é uma adaptação linda. Leo Dicaprio e Claire Danes (a Julieta) têm A química.

Shakespeare Apaixonado (1998)

shakespeare-in-love2

Shakespeare Apaixonado, diferente dos outros filmes, não é apenas uma adaptação de uma obra específica de Shakespeare, é a história da vida do autor (ficção, claro) e que mistura Noite de Reis, Romeu e Julieta e até recita uns sonetos vez ou outra. Para quem gosta e conhece as obras do autor, é muito bacana ver o tanto de referência no filme. E gente, o Shakespeare é interpretado por Joseph Fiennes (aka o lindo e tudo de bom Capitão Hook de Once Upon a Time). Além disso, o filme rendeu o prêmio de melhor filme no Oscar e de melhor atriz para Gwyneth Paltrow. É lindo, assisto absolutamente todas as vezes em que estiver passando na televisão. O filme foi dirigido por John Madden, que também lhe rendeu uma indicação ao Oscar. Vale a pena assistir pela 1) história; 2) atores incríveis, que além dos citados têm Judi Dench, Colin Firth, Ben Affleck, entre outros; 3) pelo figurino, pelos diálogos. É puro amor

10 Coisas que Eu Odeio em Você (1999)

tudo

Esse é um dos filmes da minha vida! Assisti a primeira vez quando criança e amei! É uma adaptação da comédia de Shakespeare “A Megera Domada”, e conta a história de Cameron (o super maravilhoso Joseph Gordon-Levitt), que, no primeiro dia de aula se apaixona por Bianca, aquelas meninas populares patricinhas do colégio. Mas ela só poderá sair com rapazes até que Kat (Julia Stiles), sua irmã mais velha, arrume um namorado. O problema é que ela não é do tipo de menina bobinha, ela tem atitude, é geniosa e feminista, ou seja, precisa de um cara responsa do lado. E ela nunca foi muito de procurar um namorado. Mas Cameron, então, negocia com o único garoto que talvez consiga sair com Kat, Patrick (RIP Heath Ledger :(). O filme é demais! A trilha sonora é incrível, tanto que tive que comprar o CD (sim, CD) do filme. Era viciada, ouvia o dia inteiro, é daquele tipo de música de banda de rock feminina, sabe? Demais! Vale a pena pelos atores, que são super queridinhos hoje em dia, pela história (que é demais) e pela releitura de um conto shakesperiano de uma forma tão contemporânea e leve. O filme, quando foi lançado, foi uma surpresa para a equipe, pois foi um sucesso inesperado! Demais! E o poema do final? Vai dizer que você já não mandou para aquele(a) namorado(a)?

Jogo de Intrigas (2001)

mekhi-phifer-nel-film-o-come-otello-111879 (1)

Este filme, também estrelado por Julia Stiles, é uma adaptação da tragédia Otelo, o Mouro de Veneza.  O longa baseia-se na história de Odin (que é Otelo, na real), estrela do time de basquete e da escola e único estudante afro-americano, e de sua namorada, Desi (Julia Stiles, que interpreta Desdêmona), que é a filha do reitor e branca. Iago (Josh Hartnett) é o filho do treinador do time de basquete, que planta sementes da dúvida em Odin em relação ao seu relacionamento com Desi. Iago faz toda a estratégia por inveja do seu “amigo”, e este, por sua vez, acaba caindo na cilada. É um filme muito contemporâneo, mas que retrata com louvor a essência de Otelo. Os diálogos são todos bem escritos, e a declaração de Iago, ao fim do filme, é maravilhosa. Daqueles pra chorar largado e não acreditar no que você está vendo. Vale a pena pela dramaticidade e pela história incrível feita por Shakespeare, e dirigido belamente por Tim Blake Nelson.

E aí, você já assistiu algum desses filmes? Eu amo todos! Shakespeare é tudo de bom, e esses filmes são incríveis. Viu alguma outra adaptação do autor que gostou? Me diga aqui!

Cadeiras de Mesa Coloridas e Diferentes!

Foi-se o tempo que tudo tinha que ser combinadinho, né gente? Antes a gente combinava o sapato, com o cinto e com a bolsa. O armário com a cama, a geladeira com o fogão e lá se vão combinações. Hoje, quanto mais criatividade, melhor. Os móveis não precisam ser da mesma cor, quiçá da mesma estrutura. Pode sim misturar inox com madeira, com vidro, com pallet. O importante é o seu ambiente ter a sua carinha, do jeito que te faz feliz e, o mais importante, que te faz sentir em casa. Hoje, quando procuramos tendências e inspirações de decoração, vemos muitas cores, daquelas bem vibrantes mesmo. Móveis amarelos (como já mostrei para vocês em um post), paredes coloridas e cheias de informação (podem ser quadros, pratos, flores, plantas, espelhos, livros e o que mais sua imaginação permitir) hoje são super trendy.

Eu adoro isso, como vocês já sabem, não sou nada minimalista ou clean quando o assunto é decoração. Outra dica de decoração que tem estado super em alta, ultimamente, são as cadeiras de mesas coloridas e diferentes. Antes (e até hoje, claro) quando comprávamos um jogo de mesa + cadeiras, era tudo igualzinho, do mesmo material e cor (naquele lance combinandinho), mas agora não! Você pode comprar uma mesa (usada até, em brechó mesmo) e comprar cadeiras super diferentes umas das outras, de materiais diferentes e cores diferentes. E daquelas bem vibrantes, viu? Fica super bonito, charmoso e muito chamativo. E mesmo que sejam diferentes, não dá impressão de algo improvisado ou provisório. Se você gosta, se joga e vai com tudo!! Inspire-se! 🙂

cadeiras3

cadeiras7

cadeiras4

cadeiramontagem

cadeiras1

cadeiraimagens

E então, o que achou? Deixaria sua casa mais colorida desse jeito? Eu acho que ficam lindas, super estilosas e charmosas. E não precisa nem ser somente para uma decoração rústica ou retrô, fica bem até para decorações mais conservadoras ou tradicionais, não acham? Dá um toque de criatividade! 🙂

Boa semana!