Domhnall Gleeson – O Gui Weasley de Harry Potter que está em todos os filmes atuais!

Oi gente! Tudo bem?

Ontem eu fui ao cinema assistir o Regresso (by the way, fica de olho que logo logo tem resenha por aqui, ein?) e fiquei muito curiosa com uma coisa – e com algo que vem me deixado surpresa nesses últimos tempos: O ator Domhnall Gleeson. Difícil saber quem é, né? Se você for pottermaníaca como eu, vai ficar fácil. Lembra do ator que interpretou o Gui Weasley, no filme Harry Potter: As Relíquias da Morte (Parte 1 e 2)? Então, ele mesmo.

domhnall-gleeson

Não sei se você tem visto muitos filmes ultimamente, principalmente os lançamentos, mas eu tenho acompanhado alguns e é um fato: ESSE MENINO ESTÁ EM TODOS OS LUGARES! A primeira vez que tive a sensação que o conhecia foi quando assisti um filmezinho água com açúcar com o Pedro no Netflix: About Time (ou Questão de Tempo, em português), que ele contracena com a linda da Rachel McAdams. Depois de então, todo lugar que eu o vejo, ele está (tá, não todo, mas ele está em vários filmes!). Até dou risada quando o vejo. Só ontem o vi nos trailers E no filme principal. Loucura, não?

Domhnall Gleeson tem, atualmente, 32 anos, é ator, realizador, argumentista e dramaturgo irlandês. Quer ver os últimos filmes que ele tem feito? Dá uma olhada! Esses são só os filmes mais conhecidos de 2010 até hoje!

HARRY POTTER E AS RELÍQUIAS DA MORTE (PARTE 1 E 2)

Papel: Gui Weasley (♥)


ANNA KARENINA

Papel: Konstantin Levin


QUESTÃO DE TEMPO

Papel: Tim Lake


EX MACHINA

Papel: Russell Allen Phillips


BROOKLYN (Indicado a Melhor Filme no Oscar 2016)

Papel: Jim


STAR WARS: O DESPERTAR DA FORÇA (Filme com maior bilheteria dos últimos tempos – ainda não bateu Avatar, estamos quase! 🙂

Papel: General Hux


O REGRESSO (Indicado a Melhor Filme no Oscar 2016 – Filme com mais indicações ao prêmio!)

Papel: Comandante Andrew Henry

 

Não sei você, mas eu acho que Domhnall Glesson está com tudo. Afinal, é o nosso eterno Gui Weasley, né? Ta aí um ator para ficar de olho 🙂

Beijos!

Anúncios

Maratona Oscar 2016 – 8 filmes para ver!

Oi gentee!

Não vou nem falar que “quem é vivo sempre aparece” e que agora eu estou com a corda toda com o blog, porque vimos o que aconteceu das últimas vezes, não é mesmo? Masss, a intenção é essa, então vamos que vamos!

Para, enfim, voltarmos com tudo no Abilolando, nada melhor do que voltar com pautas de cinema, não é mesmo?

maratona-oscar-2016

O Oscar está aí, dia 28 de fevereiro acontecerá a entrega dos prêmios, e eu já estou na expectativa! Como sempre, o prêmio será televisionado pela TNT, que também transmite o Red Carpet, já para a gente ficar de olho nos atores/atrizes e nos vestidos MARAS da galera! Este ano, quem será o apresentador oficial é o Chris Rock, então já podemos esperar uma noite cheia de risadas (ou não, como foi com o Neil Patrick Harris.. what a disappointment)Infelizmente “Que Horas Ela Volta” não entrou para os indicados de “Melhor Filme Estrangeiro”, mas temos um representante tupiniquim nos Academy Awards: O Menino e o Mundo está concorrendo na categoria “Melhor Animação”, disputando com “Divertidamente”! No post de hoje, vamos fazer uma lista de “must see” dos filmes indicados na categoria “Melhor Filme” do Oscar 2016. Conforme eu for riscando algumas obras da listinha, vou linkando a resenha aqui. Então bora?

MAD MAX – A ESTRADA DA FÚRIA (ASSISTIDO)

O longa, lançado em maio de 2015, foi dirigido por George Miller e conta a história de Max (Tom Hardy), um guerreiro das estradas, após ser capturado por Immortan Joe, que vê no meio de uma guerra mortal, iniciada pela Imperatriz Furiosa (Charlize Theron MARAVILHOSA) na tentativa se salvar um grupo de garotas que eram prisioneiras do Joe. Mad Max foi indicado a 10 prêmios: Melhor Filme; Melhor Diretor; Melhor Figurino; Melhor Maquiagem e Penteado; Melhor Fotografia; Melhor Edição; Melhores Efeitos Visuais; Melhor Edição de Som. Clique aqui para ver a resenha AQUI no blog! Apenas: QUE FILME!


O REGRESSO

Dono do maior número de indicações de prêmios no Oscar em 2016, o longa será lançado em 4 de fevereiro nos cinemas do Brasil, e conta a história de um caçador de peles (Leonardo DiCaprio) atacado por um urso durante uma expedição. Ferido, dois homens do grupo decidem ficar para ajudá-lo, mas quando indígenas se aproximam, ambos o abandonam. O longa foi dirigido por Iñárritu, o mesmo diretor de Birdman, que levou os prêmios de melhor direção e melhor filme em 2015. Ou seja, o cara tá com tudo!
O Regresso foi indicado a 12 prêmios: Melhor Filme; Melhor Diretor (Iñárritu); Melhor Ator (Leonardo DiCaprio); Melhor Ator Coadjuvante (Tom Hardy); Melhor Figurino (O Regresso); Melhor Maquiagem e Penteado; Melhor Fotografia; Melhor Edição; Melhores Efeitos Visuais; Melhor Edição de Som; Mixagem de Som e Produção de Arte.


O QUARTO DE JACK

Com estreia prevista também para fevereiro de 2016, O Quarto de Jack conta a história sobre o amor sem limites entre mãe e filho. O pequeno Jack (Jacob Tremblay), de cinco anos, não conhece nada do mundo, exceto o quarto em que nasceu e cresceu acompanhado apenas por Ma (Brie Larson). Pelas críticas que tenho visto/lido, este filme está super bem contado, principalmente pela atuação da Brie Larson. É daqueles filmes que deixa a gente em prantos e incomodado. Quero muito assistir!
O Quarto de Jack concorre à estatueta em 4 prêmios: Melhor Filme; Melhor Diretor; Melhor Atriz e Melhor Roteiro Adaptado.


SPOTLIGHT – SEGREDOS REVELADOS

Lançado no início deste ano, o longa é baseado em fatos reais e mostra um grupo de jornalistas americanos, em Boston, que reúne documentos que são capazes de provar casos de abusos de crianças, praticados por padres católicos. Só na sinopse já percebemos que o filme toda em assuntos delicados e polêmicos. Além disso, conta com um elenco de peso: Michael Keaton, Rachel McAdams, Mark Ruffalo, Liev Schreiber, entre outros.
Spotlight foi indicado a 6 prêmios: Melhor Filme; Melhor Diretor; Melhor Ator Coadjuvante; Melhor Atriz Coadjuvante; Melhor Roteiro Original e Melhor Edição.


A GRANDE APOSTA

O longa também teve sua estreia no começo deste ano e conta a história de quatro homens, de fora do mercado financeiro, que perceberam de antemão o que os grandes bancos, a mídia e o governo não conseguiram prever: a crise econômica que abateu os Estados Unidos em 2008. Com investimentos ousados, eles acabam conhecendo o lado sombrio do sistema bancário moderno. A Grande Aposta conta com atores como Christian Bale, Steve Carrel, Brad Pitt e Ryan Gosling ♥.
A Grande Aposta concorre em 5 categorias: Melhor Filme; Melhor Diretor; Melhor Ator Coadjuvante; Melhor Roteiro Adaptado e Melhor Edição.


PONTE DOS ESPIÕES

O novo longa de Steven Spielberg, lançado em outubro de 2015, tem como foco central a história de James Donovan (Tom Hanks), um advogado especializado em seguros que aceita uma tarefa muito diferente do seu trabalho habitual: defender Rudolf Abel (Mark Rylance), um espião soviético capturado pelos americanos, isso tudo durante o período da Guerra Fria!
Ponte dos Espiões conta com 6 indicações ao Oscar: Melhor Filme; Melhor Ator Coadjuvante; Melhor Roteiro Original; Melhor Trilha Sonora; Mixagem de Som e Produção de Arte.


BROOKLYN

Com previsão de lançamento para fevereiro de 2016, o longa conta a história da irlandesa Ellis Lacey (Saoirse Ronan), que se muda de sua cidade para morar em Brooklyn (EUA), na tentativa de realizar seus sonhos. No ínicio de sua jornada, ela sente falta de sua casa, mas ela vai tentando se ajustar aos poucos até que conhece e se apaixona por Tony (Emory Cohen), um bombeiro italiano. E sim, Saoirse é a mesma atriz de “A Hospedeira”. Demos um up aqui ein, amiga?
Brooklyn está concorrendo ao Oscar em 3 prêmios: Melhor Filme; Melhor Atriz e Melhor Roteiro Adaptado


PERDIDO EM MARTE

Lançado em outubro de 2015, o novo longa dirigido por Ridley Scott conta com Matt Damon na principal atuação como o astronauta Mark Watney que foi enviado a uma missão em Marte. Após uma tempestade ele é dado como morto, abandonado pelos colegas e acorda sozinho no misterioso planeta com escassos suprimentos, sem saber como reencontrar os companheiros ou retornar à Terra. Mark consegue se comunicar com a Terra e começa a grande jornada de resgate! Já assisti ao filme, é incrível, falta só a resenha! Aguarde 🙂
Perdido em Marte foi indicado a 7 prêmios: Melhor Filme; Melhor Ator; Melhor Roteiro Adaptado; Melhores Efeitos Visuais; Melhor Edição de Som; Mixagem de Som e Produção de Arte.

 

Ufa!! Tem bastante filme para vermos pela frente, ein? Você já viu algum desses? Deixa aí nos comentários o que você achou, e quais são seus palpites para o Oscar 2016! Para ver a lista completa de indicados ao prêmio, clique aqui.

Beijos 🙂

Falando Sobre: Chef

Oi gente!

Esse final de semana, no domingo à noite, zapeando pelo Netflix (as always), paramos para assistir o filme independente Chef, dirigido por Jon Favreau (que também dirigiu Homem de Ferro 1 e 2). Já tinha passado por ele algumas vezes, e até cogitamos assisti-lo, mas só neste final de semana conseguimos. Já tinha ouvido bastante gente falar dele, mas nunca tinha parado para ler alguma crítica, resenha ou até mesmo para ver o trailer. Fomos no feeling. E não é que gostei? Filmezinho leve, engraçado e gostoso de assistir com a família. Nem sempre a gente está a fim de assistir a um filme cult ou cheio de símbolos e metáforas, né? E esse é para esses dias que você quer deitar no sofá com alguém que você goste (e este alguém pode, também, ser você mesmo) e curtir.

resenha-filme-chef

Chef é um filme de 2014 filmado de maneira independente, então não espere grandes efeitos ou super câmeras, é uma reunião de amigos contando uma história e compartilhando momentos. Mas, ainda assim, é um bom filme e marca a volta de Favreau para a frente das telas. O longa (de 1h54m) conta a história de Carl Casper (interpretado por Jon Favreau), um chef de um restaurante bacanudo de Los Angeles, mas que enfrenta problemas com o dono do restaurante (interpretado por Dustin Hoffman), já que este não permite inovações na cozinha; Carl deve se ater ao certo. Um belo dia, um famoso crítico e blogueiro gastronômico (Oliver Platt) visita o restaurante, prova todo o Menu Degustação e faz uma crítica super negativa ao restaurante (e ao chefe) alegando, justamente, a falta de criatividade na gastronomia.

Em um momento de descontentamento, piorado pela falta de conhecimento das mídias sociais pelo Chef, Casper tira satisfações com o crítico no meio do restaurante e é demitido. Como se não bastasse, a cena da briga vai para a internet e viraliza, prejudicando a imagem do Chef de Cozinha. Para se reinventar e retomar o prazer em cozinhar, Casper se vê abrindo um Food Truck com o seu antigo companheiro de cozinha, interpretado pelo John Leguizamo (eterno Toulouse Lautrec em Moulin Rouge) e com o seu filho adolescente, também interessado pela Gastronomia.

resenha-filme-chef-1

O longa também conta com um elenco de peso, pois além do próprio Favreau na atuação e Leguizamo, também estrelam Sofia Vergara, Scarlett Johansson, Bobby Cannavale, Dustin Hoffman, Oliver Platt e Robert Downey Jr. O clima de amizade e leveza entre os atores é perceptível, o que é mais bacana de assistir. Chef é uma comédia com algumas pitadas de drama, abordando questões como frustração, fracasso e relacionamentos, já que Favreau é divorciado e não tinha muito contato com o filho, já que era um workaholic e trabalhava muito. Claro que essas questões não são trabalhadas de forma profunda, mas o filme não é pretensioso. Não vá assistir Chef achando que terão questões profundas e existenciais, porque não terão. Mesmo assim, é um filme que entretém e é gostoso de assistir.

Todos os personagens, inclusive o filho de Carl, são muito carismáticos e fazem com que você se sinta dentro do filme, torcendo pelo sucesso de Favreau. É um clima bem família mesmo. Além disso, quando Carl embarca na ideia do Food Truck, ele faz uma road trip de Miami à Califórnia, e passamos por belas paisagens, e é uma delícia. A gastronomia então, nem se fala, ponto alto do filme! A cada cidade visitada, conhecemos alguma especiaria da gastronomia local (Texas, New Orleans, etc), além da comida cubana (foco do food truck). Então, se você for assistir, prepare-se para ficar com muita água na boa!

Chef é um filme leve e gostoso (em todos os sentidos) de assistir. Mesmo previsível, é uma boa pedida para um fim de semana tranquilo. 🙂

Beijos.

Falando Sobre: How I Met Your Mother

Oi gente!

This is going to be Legen… WAIT FOR IT….dary!

Taí uma série que eu queria falar há um tempão aqui e, por algum motivo que eu não sei dizer, ainda não havia falado: How I Met Your Mother. Até o começo deste ano eu não tinha assistido nenhum episódio, mas já tinha ouvido falar muito sobre ela e de como era uma febre mundial, mas não dei muita bola. Até um belo dia em um café da manhã em casa, que eu e o Pedro já estávamos sem novas séries para assistir dessas rapidinhas e decidimos colocar o primeiro episódio da série (somos desses que assiste séries sitcon repetidas durante refeições) e viciamos por completo! Devoramos todas as temporadas em pouquíssimo tempo, e não posso dizer outra coisa a não ser: QUE SÉRIE MARAVILHOSA! Desde Friends eu não gostava tanto assim de uma série de comédia, e essa é incrível!

How I Met Your Mother é uma sitcom de comédia (daquele estilo com episódios rápidos de 25 minutos, locações específicas e aquelas risadinhas de fundo, rsrs) lançada em 2005 que conta a história de como Ted Mosby (interpretado pelo fofo Josh Radnor) conheceu a mãe dos seus filhos. Para isso, a série é ambientada em 2030, ano em que Ted conta aos seus filhos adolescentes os fatos que o levaram a conhecer sua mãe. Com isso, os flashbacks é que dão sequencia e cadência à série. Ele volta no tempo para 2005, relembrando suas aventuras amorosas em Nova York e sua busca incessante e esperançosa pela mulher dos seus sonhos. Ted, apesar de ser o locutor dos acontecimentos, não é o único protagonista da série. Como em Friends, Ted tem um grupo inseparável de amigos: o advogado Marshall Eriksen, ou Marshmellow para os íntimos (interpretado Jason Segel), a professora e artista plástica Lily Aldrin ou Lilypad para os mais chegados (interpretada pela linda Alyson Hannigan), a jornalista Robin Scherbatsky (Cobie Smulders) e o mulherengo convicto Barney Stinson (Neil Patrick Harris).

A série se passa em Nova Iorque e mostra o dia a dia dos cinco amigos, sem necessariamente uma pauta linear ou específica, é sobre a vida mesmo. Sobre como Ted, um arquiteto, consegue se consagrar na sua carreira e virar professor, sobre como Marshall passou perrengues para passar na prova para se tornar advogado e conseguir realizar o seu sonho de ser um advogado ambientalista, de Robin, uma canadense (GO CANUCKS), tentando ser uma jornalista e repórter de respeito em terras Yankees e Barney colocando em prática o seu Playbook para conquistar mulheres. Eu gosto muito de todos os personagens, mas sou absolutamente apaixonada pelo casal Lily e Marshall. Quem mais?

Sei que de início não parece tão interessante assim, mas é, confie! É daquelas séries que em um minuto você está rindo de doer a barriga e em um segundo depois, você está se debulhando em lágrimas (de emoção ou de dor). Além disso, a cadência e os fatos com que as coisas acontecem é extremamente bem amarrado. Por exemplo, todos os episódios Ted aparece narrando aos seus filhos (que aparecem em cena, ouvindo os causos do pai) algum fato do passado; e isso se repete em todas as nove temporadas, filmadas em nove anos. E são os mesmo atores jovens, eles não envelheceram junto com a série como os demais, senão não seria verossímil, não é? Os jovens gravaram todos os episódios de uma vez, o que significa que os produtores e diretores de How I Met Your Mother já tinham todo o roteiro, inclusive o polêmico final, planejado. Incrível, né?

HIMYM (para os amantes de série que adoram colocar sigla em tudo) é uma série maravilhosa: emocionante, cheia de mensagem fofinha no final de cada episódio, extremamente engraçada e bem escrita. Eu, particularmente, amei o final. A série teve o último episódio exibido em 2014 e causou um rebuliço nas redes, já que muita gente não curtiu. Eu adorei, para mim fez total sentido todo o desfecho dos 5 personagens.

E você, já viu? É apaixonado assim como eu pela série? Comenta aí!

Beijos.

Falando Sobre: Sense8

Oi gente!

Há umas duas semanas terminei de assistir à mais nova série do Netflix: Sense8. E MEU DEUS DO CÉU, QUE SÉRIE! Confesso que quando assisti o primeiro episódio, não me animei muito; pelo contrário, fiquei bem confusa com a história, mas mesmo assim, com tantas críticas positivas, dei uma segunda chance e continuei assistindo; ainda bem. Sense8 é mais uma série original do Netflix, que tem produzido ótimas séries como Orange is the New Black, Demolidor e outras. O Netflix tem entrado com os dois pés no peito MESMO, e tá difícil competir com eles, viu?

Estava querendo há um tempo escrever sobre Sense8 por aqui, mas sempre pensei: COMO É QUE EU VOU EXPLICAR AQUELA DOIDEIRA TODA? Mas bom, vou tentar! E se você não entender muito bem no começo, vá assistir JÁ mesmo assim, porque a série é absurdamente foda, bem escrita, maravilhosamente dirigida e produzida. E as atuações estão no mesmo patamar e não deixam desejar nem um pouco. Sense8 foi escrita e dirigida pelos Irmãos Wachowski (os mesmos diretores de Matrix), então só daí você consegue ter uma ideia do que pode vir a diante.

sense8-1

Sense8 conta a história de 8 protagonistas que têm, entre si, uma conexão. São oito histórias e cenários (e países!) diferentes, mas que todos eles são “um”. Por terem essa conexão, os sensates (como são chamadas essas pessoas) podem se comunicar, dividir habilidades, sentimentos de amor, ódio, insegurança, etc. Então, por exemplo, se um dos sensates está passando por apuro, os outros sentem o que ele sente e podem se “teletransportar” para o universo dessa pessoa (e só um sensate enxerga o outro do seu grupo) para conversarem, ou até para emprestarem suas habilidades de luta, etc. É bem confusinho de explicar. É como se eu estivesse aqui, mas em pensamento estivesse em outro lugar do mundo me comunicando com o sensate.

Além dessas habilidades, que por si só já intrigam e deixam qualquer espectador com vontade de assistir os outros episódios, pela ousadia e criatividade da trama, a história dos oito sensates também é EXTREMAMENTE relevante para a trama, e tratam de assuntos muito contemporâneos, como transexualidade, homossexualidade, machismo, traumas de infância, entre outros.

sense8-2

sense8-4

sense8-3

Conheça os 8 sensates:

Riley – Inglaterra/Islândia: interpretada por Tuppence Middleton, é uma DJ islandesa que mora em Londres, passa por problemas como drogas, tráfico e, ao longo dos episódios, descobrimos uma profundidade absurda em seu personagem!
Will – EUA: interpretado por Brian J. Smith, é um policial de Chicago que lida com problemas do seu pai alcoólatra e gangues do tráfico do seu Estado. É um dos primeiros a perceber que é um sensate e o que isso significa. Ligação importantíssima entre todos os outros!
Sun – Coréia do Sul: interpretada por Doona Bae, é filha de um riquíssimo executivo de Seul e é CFO da empresa de seu pai; nas horas vagas (e secretas) é lutadora BAD ASS DEMAIS de kickboxing. Sun passa por momentos importantes durante a trama sobre questões éticas e familiares. Essa mulher é FODA demais. Quebra qualquer um!
Wolfgang – Alemanha: interpretado pelo lindo Max Riemelt, é um ladrão de cofres em Berlim, enfrenta problemas com a máfia e tráfico alemães, além de ter também traumas de infância e familiares. É o cara da porradaria no Sense8, desses que você fica vibrando loucamente nas cenas (eu, pelo menos, ahah).
Kala – Índia: interpretada por Tina Desai, é uma jovem farmacêutica e culta que tem um casamento arranjado, mas que não quer se casar sem sem por amor, e sofre para dizer o que realmente pensa. Eu gosto da Kala, mas nem de longe é a minha preferida. Acho que tinha um SUPER potencial para uma personagem bem feminista em um país tipicamente misógino. Mas não é bem isso, apesar de ter aparições importantíssimas na trama!
Lito – México: interpretado pelo tudo-de-bom-maravilhoso-incrível Miguel Ángel Silvestre, é um ator de novelas mexicanas bem “machão”, mas que em casa tem um relacionamento homoafetivo em segredo. O personagem de Lito tem uma crescente na série, e passa por muitos dilemas pessoais. É um dos meus preferidos, além de ser absurdamente lindo, claro, rsrs.
Nomi – EUA: interpretada por Jamie Clayton, é uma ativista hacker transexual e homossexual de São Francisco. Nomi é daquelas personagens maravilhosas e incrivelmente bad asses, muito feminista! Sua história emociona e me fez chorar algumas boas vezes pelos episódios. Nomi tem papel fundamental, também, para os outros sensates!
Capheus – Quênia: interpretado por Aml Ameen, é um motorista de Van (a famosa Van Damn) em Nairóbi, tem uma mãe soropositiva e enfrenta, também, problemas de gangues e outras mazelas que assolam o país. É o personagem mais gente boa de todos, aquele que sempre está de bom humor e cheio de esperanças mesmo em meio às adversidades, é tipo o conselheiro do grupo.

Os personagens todos são muito bem construídos e cada um tem uma história diferente, um background diferente, mas todos são complementares pela personalidade, pela força e pelos valores. Sense8 é uma obra prima, o Netflix acertou em CHEIO. Várias cenas são absolutamente memoráveis, que normalmente são aquelas que todos os sensates estão juntos. Nem vou dar spoilers, mas adianto que é uma série com muita violência, drogas, cenas de nudez e sexo, então a classificação etária é + 16 anos.

Tem Netflix? Assista Sense8, estou louca pela estreia da 2ª temporada que, infelizmente, só tem estreia prevista para o ano que vem. Mas se for na mesma pegada que a primeira, o sucesso está garantido. Amei demais.

E você, assistiu? Me conta o que achou!